Livro: Se eu ficar

00:39

"Se eu ficar" estreou hoje nos cinemas, por isso, achei apropriado aproveitar que terminei minha leitura há alguns dias para contar o que achei da história. Mas, antes de dizer qualquer coisa a respeito, preciso pedir a você, que ainda não leu o livro, que interrompa a leitura deste post AGORA e vá ler o post bem bacana que eu publiquei ontem sobre o #stopthebeautymadness - sim, esta é a chance que estou dando a você de fugir antes de ler qualquer spoiler.


Também quero deixar claro que a minha intenção não é desanimar ninguém, afinal, cada um tem um gosto e é importante respeitarmos as diferenças. Mas o fato é que eu não gostei de Se Eu Ficar, de Gayle Forman. Queria ter gostado. Queria ter encontrado mais uma história perfeita e linda, da qual eu quisesse ler e reler centenas de vezes mas, não rolou. Descobri que, simplesmente, não fomos feitos um para o outro.

E não tem sensação pior nesse mundo literário do que criar expectativas em torno de um livro e ele simplesmente não corresponder. Vejam bem: eu achei a ideia genial - realmente genial - mas o fato é que a Mia não me convenceu. Nem um pouquinho. E nesse post vou tentar falar porque não achei a obra tão legal assim...

"Depois do acidente, ela ainda consegue ouvir a música. ... amigos e parentes aguardam na sala de espera... e o seu amor luta para ficar perto dela. Pelas próximas 24 horas, Mia precisa compreender o que aconteceu antes do acidente – e também ... Ela sabe que precisa fazer a escolha mais difícil de todas."

Bom, o livro conta a história de Mia, uma garota apaixonada por música clássica, que vive com os pais e o irmão mais novo no Oregon. Ela também é a namorada de Adam, o vocalista da banda de rock, Willamette Stone, cujo futuro é bastante promissor. Numa manhã fria, a caminho da casa dos avós, Mia e a família sofrem um acidente. Levada em coma para o hospital, Mia tem a vida completamente transformada, e precisa fazer uma escolha difícil: ficar ou partir desta vida.

Como eu disse, achei a ideia da Gayle genial. Eu sempre me perguntei muito o que se passa na cabeça de um paciente em coma, e achei bem interessante que um autor tenha usado isso como premissa. Porém, o romance não me convenceu, especialmente a protagonista. Eu me irritei diversas vezes, porque senti a personagem principal muito perdida, muito insegura. Eu não gosto muito de fazer comparações, mas me lembrou a Bella Swan: super deslocada, inibida e indecisa.

Outra coisa que me desagradou foi o fato da Mia não ter uma relação tão legal nem com os pais, nem com o namorado. Há diversos trechos onde ela confessa não se sentir parte da família, e centenas de diálogos no qual ela questiona por que o namorado a escolheu, por que ele a acha incrível... sério, gente. Abro aqui um espaço para fazer um comentário bem pessoal: num tempo onde as mulheres estão se libertando e se descobrindo, não é legal ter uma personagem que só se põe pra baixo e se sente incapaz de conquistar ou agradar alguém.

Há outras coisinhas no livro que me desagradaram bastante, como o plano do Adam para ver a Mia na UTI - foi um dos trechos que eu tive uma enorme vontade de interromper a leitura. A diagramação ficou muito feia, com notas musicais atrapalhando a leitura.

Eu não gostei e fiquei chateada. Quero assistir ao filme: 1) pra ver se mudo um pouquinho a impressão ruim que o livro deixou, 2) porque amo a Chloë Grace Moretz. Aproveito para lembrar que escrevi esse post baseada nas sensações que tive ao longo da leitura e não quero, de forma alguma, desmerecer o trabalho da autora. Tenho certeza de que o livro irá agradar muita gente e acho bom assim. Como diz minha mãe, "nem todo mundo pode gostar do amarelo". Por isso, leiam e façam suas próprias análises sobre o livro - e mandem o link pra mim, tá?

Veja também:

3 comentário[s]

  1. Bom, Mari, a gente já falou sobre isso e acho que é uma das primeiras vezes em que discordamos... Amei - e não foi pouco - a história da Mia...

    Não concordo com a sua comparação com a Bella, mas entendo de onde ela vem. A Mia me parece, sim, insegura, mas eu entendi todos os porquês. Não vejo negatividade, por exemplo, nos comentários sobre ela não se sentir da família, porque acredito que isso não signifique falta de amor ou nem mesmo uma relação ruim, mas sim por ela se sentir diferente, principalmente em termos musicais - já que ela era a única apaixonada pela música clássica.

    Quanto ao relacionamento dela com o Adam, também não concordo. Em um primeiro momento, pra ser sincera, não achei nem q o relacionamento deles dois fosse centrar ao enredo da história - foi só mais pra frente que eu percebi a importância (e isso aumentou na sequência, como comentei com você). E, sei lá, Mari, mas acho a insegurança dela normal, principalmente na idade dela. Uma adolescente "atrapalhada", de repente se torna namorada de um possível "rock god"? Não vi problemas nos questionamentos dela, muito pelo contrário...

    Quando li esse livro, lá atrás, no mês de maio, ele me encheu de sentimentos e eu fiquei até triste quando acabou... Estou ansiosíssima pelo filme - acho que lá estarei amanhã - esperando chorar várias lágrimas...

    Mas, hey, sua mãe é sempre mt genial e tem toda a razão... As diferenças fazem o mundo girar! ;)

    ResponderExcluir
  2. Verdade! O que seria da gente sem as diferenças?

    ResponderExcluir
  3. Oi, Mari!!

    Ahhh que pena que você não gostou!! Eu gostei, mas também não estava esperando nada dele, quis ler pq vi que ia estrear o filme!

    Não me apeguei muito com a Mia mesmo e concordo com você sobre ela, apesar de entender porque a autora quis abordar as questões de insegurança e baixa auto estima em relação ao Adam. Acho que todo adolescente passa por isso de uma forma ou outra.

    Agora ter os mesmos sentimentos em relação aos pais, achei zuado mesmo! Eles mostram o tempo todo o quanto a amam e tals! Aliás gostei muuuuito mais deles do que dela! E no filme eles também roubam muito a cena!!

    O filme gostei tb, mais do que o livro (e chorei horrores, o que não aconteceu no livro! rs). Achei mais emocionante e colocaram a música de uma forma bem viva, como se fosse outro personagem mesmo! Ficou bem legal! Faz resenha do filme depois (ainda estou enrolando, mas tb farei!! rs) =]

    ResponderExcluir