O breve manual da dona de casa

Já faz um tempinho, eu admito, que venho ensaiando estrear uma nova série aqui no blog. Não para falar sobre comida - que é uma das coisas que eu mais amo no mundo - nem para discursar sobre qualquer uma das minhas outras paixões. Mas, sim, para compartilhar e debater, de um jeito divertido, um papel que muita gente nem faz ideia que eu cumpro: o papel de dona de casa; que limpa, que faz compras e que mantém - ou pelo menos tenta manter - tudo no seu devido lugar.

Sim, sou eu quem cuido sozinha da minha casinha! Da faxina geral e pesada, diga-se de passagem, à louça, roupas e organização. Não faço isso por repressão do meu esposo, o Di, mas por escolha. Ainda que eu deixe, de vez em quando, uma coisinha ou outra fora do lugar, eu gosto de cuidar do meu lar, de limpar e de manter tudo funcionando.

É que, como eu trabalho em casa, consigo dar conta do recado. E ainda bem, porque se tem uma coisa que eu não sou muito fã é de ter alguém para cuidar dessa parte. Logo que casei, depois de muita relutância, eu até cheguei a contratar uma pessoa para me ajudar com o apê. Só que, depois de um tempo, não deu mais certo. Me vi obrigada a encerrar esse capítulo e mudar algumas coisas por aqui.

Depois da decepção, decidi fazer do meu jeito. Então, há mais de um ano, eu venho cumprindo o meu papel de dona de casa, e surpreendentemente, tenho me saído muito bem. São tantas coisas que eu descubro todos os dias que, andei pensando e pensando, até chegar a conclusão de que seria uma boa compartilhar todas essas experiências com vocês. E espero, de coração, que essa série ajude.


Eu sei que muitas leitoras já moram sozinhas. E que, em breve, muitas outras terão seus próprios lares. Ainda que a maioria ache esse assunto um saco, eu desconfio de que pelo menos duas ou três garotas que me acompanham sejam parecidas comigo. Então, por que não seguir minha intuição?

Quero trazer pra essas moças, que se identificam com o meu caso, um pouco da minha experiência. Compartilhar com elas dicas de decor, mas também de limpeza, dividir minhas trapalhadas, e trocar informações úteis que poderão tornar a vida mais fácil.

Eu sei. Em tempos de empoderamento, esse papo pode até não parecer muito feminista. Mas eu posso garantir: eu continuo girl power, firme e forte. Sou a favor da libertação da mulher. Acho que toda garota pode meter o nariz onde bem entende. E não defendo a ideia de que mulher deve ficar em casa, cuidando de afazeres puramente domésticos. Não, não.

Mas, entendam: uma coisa não tem nada a ver com a outra. Você pode correr atrás do que quer e ter uma batedeira na wishlist, por exemplo - sou dessas. E é por pensar desse jeito que estou iniciando este projeto novo hoje.

Então, fiquem calmas, porque eu sigo feminista. Só que agora, produzindo conteúdo pra todas as mulheres que, assim como eu, são donas de casa por opção. Chega de fingir que detergente e tábua de passar não existem no mundo perfeito e cor de rosa das blogueiras. Esconder esse universo aqui, não mais. A minha intenção agora é possibilitar, de vez em quando, uma troca de experiências. Contribuir com o que eu puder nesse período de transição que ainda vai chegar pra muitas de vocês, como chegou pra mim.

Porque eu sei: deixar o conforto da casa dos pais não é nada fácil. A mudança pode ser ainda pior se não tivermos ajuda. Então, ora essa, que tal se tentarmos juntas? Tenho certeza de que se nos ajudarmos, a vida ficará mais fácil. E tiraremos essa difícil missão que é ser dona de casa, de letra.

No próximo post da série, eu trarei pra vocês algumas curiosidades sobre um item indispensável na cozinha, e que facilita muito a nossa vida - incluindo a das mulheres que trabalham fora. Também planejo vídeos, debates e uma série de novidades. Tudo pra deixar essa série bem divertida.

Tô esperando comentários e sugestões! Vamos juntas conquistar uma rotina em casa mais independente? :)

Veja também:

9 comentário(s)

  1. Hoe, Mari! Tudo bem?

    Queira ou não, todo mundo tem uma casa, senão um cantinho, um cafofo e suas respectivas coisas para lavar, limpar e cuidar, então não vejo mesmo como essa proposta pode ser "antifeminista". Acredito que isso só contribui para a nossa própria independência como indivíduos e inclui perfeitamente leitores homens que passarem por aqui também, por que não, né? :)

    No mais, adorei a proposta da série, incentivo demais e estou ansiosa pelo que virá, porque toda a ajuda é bem vinda! ;)

    Beijos, flor~

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oba! Muito obrigada pelo apoio! <3
      Eu fico feliz que muitas pessoas tenham interesse no assunto. Isso mostra que minhas intuições não falharam. :)
      Espero fazer um conteúdo bem legal pra vocês!

      Excluir
  2. ADOREI <3
    Menina, por mim eu super seria dona de casa, mas eu tenho que trabalhar se não meu namorado não da conta. Mas também gosto muito de cuidar do lar, uma pena que quase não tenho tempo devido ao trabalho e ao curso, ansiosa pelos próximos posts

    Carol | Pink is not Rose

    ResponderExcluir
  3. Vou adorar acompanhar essa nova categoria.
    Ainda não casei e nem moro sozinha, mas sou eu que cuido de uma casa com 7 pessoas auhuahuihauihaiuhaiuahuahiha

    ResponderExcluir
  4. Adorei Mari. Aqui em casa eu lavo, passo e cozinho e o marido também entra na faxina e tem seus afazeres. Não terceirizamos porque gostamos das coisas do nosso jeito. Pode não ser a melhor tarefa do mundo, mas são necessárias! Se quiser uma parceira no crime do lar pode contar comigo, hahaha! (http://www.parolar.blog.br/2015/02/se-vira-nos-30-lavando-roupas-no-ape.html)

    Um beijo e boa sorte no novo tema!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu super quero uma parceira no crime, Grazy! <3 <3 Vou ler seu post agorinha. Você me autoriza indicá-lo no próximo post da série? Beijo!

      Excluir
    2. Tá super autorizada pra pegar qualquer post! <3

      Excluir

Instagram Images